09 outubro 2006

Tripas douradas


A empresa britânica de alimentos F. Duers & Sons acaba de dar sua contribuição ao esforço de erradicação da fome no mundo. Em comemoração aos seus 125 anos, lançou uma marmelada que custa em torno de R$ 4,6 mil o pote. O preço um pouco salgado se justifica. O sublime acepipe leva folhas de ouro de 24 quilates em sua sofisticada composição. Isto, além de laranjas de Sevilha, champanhe francesa e um uísque que custa perto de R$ 133 mil a garrafa.
Estou vendendo a notícia pelo preço que comprei no portal Invertia, que por sua vez cita o The Daily Telegraph. Os menos afortunados, nos informa o jornal, poderão se contentar com uma modesta torrada coberta com a marmelada pela bagatela de 318 Reais.
A partir desta notícia, posso fazer duas reflexões. A primeira, mais óbvia, é sobre a perversão do modelo de distribuição de renda mundial, que mata de fome milhões de pessoas enquanto uma ínfima minoria ornamenta de ouro suas tripas. Mas isso não é nenhuma novidade. Os mais ricos sempre comeram ouro enquanto os mais pobres comem sabemos muito bem o quê. Isto em qualquer parte do mundo. Não faz muito tempo, li em algum lugar que o restaurante Fazano, de São Paulo, incluía ouro em pó em uma de suas receitas.
A segunda reflexão é um pouco mais trabalhosa. É sobre o espaço que os jornais, as revistas, as rádios, as TVs e os portais eletrônicos dedicam a este tipo de notícia. Em tempos idos, essas curiosidades, os faits divers, só apareciam quando as redações ficavam à mingua de notícias importantes. Agora, essas desimportâncias ocupam o espaço principal dos veículos, numa rede de superficialidade que tenta nos impedir de compreender o mundo em sua complexidade. E enquanto nos divertem, os eternos comensais continuam alegremente a dourar suas tripas.

2 comentários:

Rosa Amanda disse...

Puxa ... Vamos fazer uma fábrica de geléia chique? A gente usa pó de diamante mineiro, cachaça de rico, jabuticabas colhidas pelas últimas virgens, vende por uma fortuna e doa para os pobres brasileiros ...

Ana Lia disse...

Muito boa, muito boa mesmo!!
Pena que todo esse ouro todo acabe na bosta de pessoas tão vazias.